X

Português cansado de ser confundido com o Souza brasileiro: 'É ridículo'

Sexta, 19 de outubro 2012 às 09:45:30 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Por Fabrizio Gallas - O tênis em Portugal não é tao bem difundido. Por isso, João Sousa, atual 99º do mundo, precisou se mudar para Barcelona para virar um tenista profissional e hoje colhe os frutos da entrada no top 100 e ascensão ao número 1 de seu país.

Foto: João Pires

Mesmo assim sua vida não continua fácil, e, sem patrocínio, ele segue persistindo e evoluindo.

Sousa começou a bater bola aos sete anos e aos 15 precisou do apoio dos pais para se mudar para o Barcelona Tennis Team: "Não há muitas pessoas para treinos em Portugal, as que tinham eram mais velhas como o Frederico Gil e o Rui Machado e na região norte não tinha ninguém assim como em Lisboa, então tive que optar por outras soluções", diz o lusitano que disputa o título do challenger do Rio de Janeiro, no Jockey Club.

Sousa viaja com o português Frederico Marques, de apenas 26 anos, que se mudou aos 18 para a academia, mas largou a vida de tenista para ser treinador. Na Espanha ele conta com a supervisão do espanhol Francisco Roig, dono da academia e que divide as atenções com Toni Nadal nas viagens com Rafael Nadal, dono de onze Grand Slams e um dos fenômenos da história do tênis. Roig está com Nadal sempre nos torneios do piso rápido americano tais como Miami, Indian Wells e US Open.

João conta que Roig passa a ele muito de seu trabalho com Rafa, o principal deles, o jogo agressivo: "Roig fala das experiências que tem com ele e me dá conselhos. Ele tem uma ideia mais ofensiva, inovadora do tênis, algo que o Nadal procurou quando tinha 19, 20 anos pois era muito bom no saibro e precisava evoluir nas quadras rápidas. As ideias ofensivas que Francisco me passa são de slices pra variar o jogo, pra vir pra rede, ofensividade, além do espírito de luta e sacrifício que Nadal também possui. Ele é muito experiente e estou muito contente em trabalhar há anos na academia".

Sousa se diz contente com a entrada recente no top 100 e mesmo sendo ainda jovem, 23 anos, e promissor, tem dificuldades para se manter no circuito. Ele não conta com apoio financeiro que banque ou ajude em sua carreira. Seus patrocínios são apenas para roupas e raquetes.

"Infelizmente não tenho patrocínios, só de raquetes, roupas da Asics, eles me dão bônus, mas nada forte financeiramente pra bancar viagens etc. Ainda por cima Portugal está em crise, é uma pena pois com mais grana poderia planejar meu calendário de forma diferente, viajar mais, ir pros ATPs que gostaria de jogar", diz o tenista que mesmo assim segue firme e forte no circuito: "Não penso em parar de jogar por isso, mas é complicado na programação. Você vai com treinador pra Austrália, início do ano, e depois tem o circuito da América do Sul, é muito dinheiro, 15, 25 mil euros. Se não tem essa grana tenho que ficar na Europa jogando outros torneios que não gostaria, como challengers ".

De acordo com Sousa, a Federação Portuguesa em nada ajuda os tenistas. E o foco dos governantes locais está no futebol: "A Federação portuguesa tem um buraco enorme de dívidas e não tem grana nem pra pagar os empregados deles, é complicado. O dinheiro do esporte em Portugal vai todo pro futebol, é uma pena, não colocam dinheiro em outros esportes. No Brasil vejo que eles dão apoio aos menores e isso é ótimo."

Controle contra destemperos e má fama

João não coloca metas de ranking. Com a dificuldade financeira só menciona se manter no top 100 para a próxima temporada e quem sabe subir um pouco. Para ele subir mais, melhorar um pouco em cada aspecto, no backhand ofensivo, serviço e voleio, é fundamental. O principal porém é a cabeça. Sousa contratou uma psicóloga para controlar sua mente. Durante os jogos, o tenista revela sofrer com destempero e já ter passado até problemas com tenistas pelo que fala durante jogos.

"Tenho uma fama nos jogos de dizer besteiras, palavrões, isso tenho, mas nunca é para os outros, e venho trabalhando nesse aspecto com a psicóloga para melhorar neste aspecto e também evitar deixar que os jogos vão embora por esses e outros lapsos de descontrole mental", diz Sousa que relata dois problemas recentes que teve.

"Tive um problema com o Marcel Granollers. Ele que provocou. Dizia que estava lesionado e depois corria em todas as bolas, e aí numa delas eu gritei "Que sorte você tem!" e ele veio me encarar meio que querendo ser superior a mim, 'quem você acha que você é ?' E eu disse que não havia dito nada a ele. Mesmo assim ele ficou bravo e começou a falar contra o público. O povo queria bater nele que teve que correr quando o jogo acabou.", conta Sousa que teve um problema com o João Souza brasileiro no quali do US Open.

Era uma partida entre ele e Ricardo Mello - vencida pelo brasileiro - e Sousa soltou o palavrão "mer.." ao fim de um ponto. Feijão se encontrava na torcida por Mello e acreditou que a palavra havia sido direcionada a ele: "Feijão pensou que fosse pra ele daí eu falei 'calma João, não foi nada pra você' e aí são casos onde você está quente, diz coisas e tanto eu como ele estavamos quentes. Tanto eu como ele não demos muita importância a isso. Feijão é uma ótima pessoa, gosto muito dele e me dou bem com todos os brasileiros".

Confusão de nomes com João Souza, o brasileiro

O que deixa Sousa com mais raiva é a confusão que causa seu nome com o homonimo brasileiro. Nos Grand Slams o brasileiro joga e aparece a foto do português: "Isso é ridículo. É sempre a mesma coisa, pra marcar quadras. Já tivemos vários problemas na hora de fazer as chaves, eles colocavam com o nome dele ou o dele com o meu, é uma má organização da ATP. Nos últimos anos tem melhorado, mas no início confundiam demais. Se fossem os nomes iguaizinhos daria pra se entender, mas aí não, os nomes são diferentes, o meu com S e o dele com Z."

Os dois nunca se enfrentaram em simples, mas quando o confronto vier, o europeu acredita ser peculiar a forma como o árbitro irá conduzir o encontro: "Deve ser engraçado se vier a jogar com ele como o árbitro vai nos chamar, não pensei como seria. Já enfrentei o Pedro Sousa e aí foi divertido na hora o árbitro fala Game Pedro Sousa e João Sousa".
banner
banner