X

Ivanisevic: 'Djokovic é um gênio'

Sábado, 28 de maio 2022 às 13:08:40 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Em entrevista ao portal Tennis Majors, Goran Ivanisevic, treinador de Novak Djokovic, destacou a genialidade do pupilo apontando o sofrimento que ele passou no começo do ano por conta dos problemas e a deportação da Austrália.



"Acho que as pessoas não sabem de uma coisa: é muito difícil se preparar para um torneio quando você não sabe se poderá jogar. Poucas semanas antes de Monte-Carlo, Novak não tinha permissão para estar em Monte-Carlo, de acordo com as regras francesas em relação ao Covid. Então, para que você está praticando? Você pode ir um momento, no próximo você não pode. Depois as regras foram alteradas, mas depois ele ficou doente", contou o croata.

"Na minha opinião, ele nem deveria ter jogado em Mônaco, mas tudo bem. Tivemos alguns preparativos, mas não o suficiente. Sua energia simplesmente não estava lá, mas novamente, ele perdeu para um cara que jogou a final (Alejandro Fokina).

"Depois de Monte-Carlo, eu disse que seria ideal se ele tivesse 10-13 partidas até o Aberto da França, porque essa é a prioridade dele. Esse foi o caso, ele jogou 11 partidas, porque Murray desistiu antes (em Madri). Ele então passou alguns dias em Montenegro fazendo fitness e recarregando as baterias.

"Quero dizer, ele é um gênio, porque é preciso tão pouco para ele voltar ao seu nível mais alto. Acredite, 95% dos jogadores nunca teriam se recuperado depois de tudo o que aconteceu na Austrália. Mas esperamos que ele supere isso: “Você tem que fazer isso e aquilo em algumas semanas”. Não funciona assim, ele foi muito afetado mentalmente."

O torneio de Roma foi o ponto de virada onde o sérvio levantou o título: "Em Roma só recebemos a confirmação de tudo o que vimos em Madri. Ele estava melhorando a cada dia e era muito importante que ele viesse a Paris sendo o número 1 em sua cabeça. Tudo o que planejamos se concretizou.

Ivanisevic contou a relação que tem com o sérvio: "No começo às vezes era difícil. Eu treinei grandes jogadores, Cilic venceu o US Open comigo como treinador, mas Djokovic é um perfeccionista, um gênio que quer melhorar a cada dia. Há situações em que sinto que algo no jogo dele é perfeito, mas ele não. Não é sobre mim, é sobre ele, mas precisamos encontrar um equilíbrio, para que ele não vá ao extremo – quando algo é perfeito, você não pode melhorar mais, você só pode retroceder, pelo menos isso é como eu vejo."

"Muitas vezes discordamos em algumas coisas, o que é normal em uma relação treinador-jogador, mas compartilhamos o mesmo objetivo – que ele melhore a cada dia e que seja feliz em quadra. Às vezes discordamos sobre o saque, por exemplo. Acredite, o saque é o golpe mais difícil do tênis – se você pensar em muitas coisas sobre o seu saque, ele simplesmente não funcionará. Você precisa se concentrar em uma coisa, duas no máximo, e então todos os aspectos do saque – e há cinco ou seis deles – se unirão. Às vezes ele quer que seja perfeito, mas é impossível. Se ele errou por uma pequena margem, ele se pergunta “por quê?”, mas acontece: eu tive o melhor saque do mundo e ainda tive dias ruins de qualquer maneira.

Mas tudo bem, isso é apenas quem ele é, precisa ser perfeito para ele, que ele sinta isso. Nestes três anos, aprendi muito com Novak e melhorei tremendamente como treinador. Antes de tudo, sou mais paciente. Um treinador precisa ser paciente e permanecer positivo, o que foi especialmente desafiador nos últimos quatro ou cinco meses, que não eram exatamente um conto de fadas.

As pessoas não compreendem a quantidade de pressão extrema que ele está sofrendo em todos os sentidos. Ele é o número 1, sempre há alguém que quer tirá-lo do trono, então nosso trabalho como equipe é protegê-lo e ajudá-lo. Na quadra, ele está sozinho, estou ciente de que às vezes ele busca alguma reação, eu o entendo quando ele grita também."

Goran Ivanisevic disse ano passado que era melhor enfrentar Nadal antes da final, o que se concretizou e o sérvio venceu. E agora ele projeta as melhores quartas de final da história entre os dois. Rafa e Novak precisam confirmar neste domingo com vitórias: "Rafael Nadal é sempre o favorito em Paris. Ele conquistou 13 títulos aqui e deve ser considerado o favorito, mas também foi o favorito no ano passado e não conquistou o título. Acho que é extremamente difícil enfrentá-lo na final aqui, porque ele nunca perdeu uma. A mesma coisa com Novak na Austrália, onde é quase impossível jogar com ele nas finais.

No ano passado, eu disse que era melhor para Novak enfrentar Rafa nas semifinais, e agora eles podem se enfrentar nas quartas. Primeiro ambos têm de chegar lá – o que acredito que vão conseguir – e depois teremos os melhores quartos-de-final da história do Aberto da França. Quem vai ganhar? Não sei, não tenho bola de cristal comigo.

Antes do empate, sabíamos que havia 50% de chances de que os três (Djokovic, Nadal, Alcaraz) terminassem na mesma chave. Infelizmente ou felizmente, continua a ser visto.

Ivanisevic rasgou elogios ao talento de Carlos Alcaraz que derrotou Novak em Madri: "Não é visto desde Novak, Nadal e Federer. Estou mais fascinado por sua maturidade. Quando você tem 19 anos, você pode fazer algo ruim ou ter uma escolha errada na quadra, mas ele está fazendo tudo certo. Ele sabe quando é a hora de entrar, quando bater um segundo mais forte para o primeiro saque, quando misturar tudo... É incrível.

Tudo isso dito, ele mal venceu Ramos e eu não concordaria que ele é o maior favorito em Paris. Grand Slams são um animal diferente, então eu colocaria Novak e Rafa antes dele. Não é o mesmo ganhar em Miami e Madri em comparação com ganhar um Slam. Mas, novamente, ele é o futuro número 1 e um vencedor de múltiplos Slams, mas veremos quantos troféus ele ganhará e quando. Ele pode esperar agora."

banner
banner