X

Thiem admite baque psicológico: 'Caí em um buraco'

Segunda, 19 de abril 2021 às 11:05:56 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Dominic Thiem, quarto do mundo, concedeu uma entrevista ao jornal Der Standard, onde revela estar preso a um buraco que não foi capaz de administrar psicologicamente seu primeiro título de Grand Slam, no US Open, e viver problema crônico no joelho.



Fisicamente, Thiem também não está no seu melhor. Na Austrália, ele foi eliminado nas oitavas de final contra o búlgaro Grigor Dimitrov. Depois caiu em Doha e na estreia em Dubai e não jogou Monte Carlo e tampouco Belgrado. "Existem vários problemas. No ano passado, durante a primeira quarentena, tive problemas com meu joelho direito. Agora, é o esquerdo. Naquela época, eu não precisava sair de nenhum torneio, porque não havia muitos".

"É um problema crônico, que aparece de vez em quando nos meus joelhos. As pessoas estão descobrindo isso agora, mas leva algumas semanas para desaparecer. Já começou a doer na Austrália. É uma dor intensa, mas vai passar", continua. Thiem não se refere apenas à aparência física. Também para o mental. E tudo mudou depois da vitória em Nova York. "Quando você passa a vida inteira perseguindo um objetivo e condiciona tudo para isso, uma vez que você o atinge, as coisas deixam de ser as mesmas. Isto é normal. O problema é que no tênis tudo passa muito rápido e não desacelera semana a semana".

"No tênis, você não tem tempo para processar a vitória. Nesse esporte, se você não estiver 100%, você perde. Foi o que aconteceu comigo em 2021. O nível é muito difícil e os adversários são muito fortes. Portanto, é melhor não ir aos torneios e voltar quando estiver melhor. Se eu tivesse ido para Belgrado, teria perdido na estreia, de novo, e teria entrado mais profundamente naquela espiral negativa. Eu preciso fugir disso. Prefiro ficar em casa. Não sou o primeiro a passar por isso, nem serei o último", diz o austríaco que comentou sobre o impacto da pandemia: "O Corona tirou muitas coisas boas de nós, começando com viagens, liberdade de se movimentar. É difícil jogar semana após semana nessas circunstâncias. Tem gente que conseguiu se adaptar a isso. É até uma vantagem para eles viver na bolha ", seguiu Thiem citando como exemplos o britânico Daniel Evans e Alexander Bublik: "É normal que eles se concentrem, mas assim conseguem se concentrar apenas no tênis e não em mais nada. Em Dubai, a bolha foi extrema. Só nos permitiram sair do hotel para jogar em um estádio vazio. Não é a melhor situação. Sempre tive minha vida planejada, semana após semana, mês após mês. Agora, com essa incerteza do que será realizado ou não, tudo mudou ”, declara.

“Acho que joguei uma das partidas mais memoráveis ​​de toda a minha carreira contra o Kyrgios, voltando de dois sets a zero contra. Foi muito esforço por tão pouco”, comenta Thiem sobre o que aconteceu em Melbourne em fevereiro passado: "A atmosfera lá era incrível. Então, houve um toque de recolher (lockdown). De repente, eu me encontrei no vestiário, suando, e a sala inteira estava vazia. Parece que ocorreu um acidente nuclear. Dois dias depois, contra Dimitrov, já joguei em um estádio vazio e em um calor sufocante. Não sabia como lidar com a situação ”, abre.

O austríaco revela que, pessoalmente, o momento atual em que vivemos o afeta muito. É difícil para ele encontrar a motivação necessária em ambientes sem público: "Me sinto vazio. Nem assisti aos jogos da Champions League. Isso é uma tragédia. Nem vi direito os jogos de Monte Carlo".

"Passei 15 anos da minha vida em busca de um objetivo, sem procurar lugar nenhum. Depois de ter conseguido, algumas coisas entraram em colapso. Minha vida particular, ter que lidar com muitas coisas, tem horizontes que se expandiram ... você precisa fazer alguma coisa com a cabeça, com o cérebro. Era apenas tênis. Eu quero mudar isso ".

O sucesso é um caminho difícil de seguir. Os atletas condicionam suas vidas para alcançar algo que, no dia em que chega, é uma mudança tão brutal que muitos acabam se perdendo no meio do caminho. “Quando ganhei o US Open, estava eufórico. Os resultados continuaram bons, chegando à final em Londres (ATP Finals). Mas, preparando-me para esta temporada, caí em um buraco. Veremos se consigo sair. Não sei. Espero que sim ”, diz.

O tenista está confiante em chegar bem para Roland Garros, seu principal objetivo: "Não jogo contra os top 10 faz muito tempo. Não sei como estou. Espero poder jogar em Madri e roma e queria estar competitivo em Paris. Conseguir uma medalha na Olimpíada seria um sonho, mas veremos se vai ter. Em qualquer caso, não deixarei que isso leve adiante meu sonho de jogar tênis por a normalidade vai voltar em algum momento".

banner
banner