X

Maradona e seu amor pelo tênis

Quarta, 25 de novembro 2020 às 15:22:53 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Por Ariane Ferreira - Faleceu no início da tarde desta quarta-feira, em Buenos Aires, um dos maiores ídolos da história do esporte mundial, o meia atacante argentino Diego Armando Maradona, vítima de uma parada cardiorespiratória.



Diego construiu sua história nos gramados argentinos inspirado, em especial, pela seleção brasileira tricampeã mundial no México em 1970 e por seu meia, Roberto Rivellino. Fez história nas quatro linhas ao surgir no Argentino Juniors e brilhar em equipes mundialmente conhecidas como o Boca Juniors, o Barcelona e o Napoli, onde ganhou o título de 'D10S' [deus do futebol]. 

Ídolo no campo, campeão do mundo na Copa do Mundo de 1986 realizada na Argentina, Maradona inspirou pais por toda a América do Sul ao batizarem seus filhos como "Diego", alguns dos quais cresceram e se tornaram ídolos no esporte, dentre eles, o tenista argentino Diego Schwartzman.

Além de esportista de sucesso, Diego Armando Maradona era um amante dos esportes e principalmente de sua  Argentina. Desta forma, tornou-se símbolo do "argentinismo" [sentimento de ser argentino] e com ele foi figura cativa nas arquibancadas de confrontos pela Copa Davis e em espectador em competições do circuito pelo mundo, tietando os ídolos da raquete.

Em 2010, Maradona esteve na disputa do ATP Finals de Londres e na ocasião, teve de ser "mudado de lugar" e colocado no camarote da ATP, pois estava chamando atenção do público e causando tumulto nos intervalos dos jogos. Naquela mesma ocasião, Maradona fez questão de tietar Federer nos vestiários.

 

 

Os encontros entre o ídolo argentino e o suíço ocorreram em diversas ocasiões. Em 2017, a convite dos organizadores do ATP 500 de Dubai, Maradona esteve no torneio e aproveitou para tietar mais uma vez o suíço: "Você é o GOAT [expressão em inglês para 'o maior de todos os tempos']. Ninguém mais é", decretou Diego, que foi tietado por Novak Djokovic e o compatriota Juan Martin Del Potro.

A relação entre Del Potro e Diego foi de ídolo e fã, para amizade. Não foram raras as vezes em que Delpo esteve em 'La Bombonera' [estádio do Boca Juniors] para torcerem juntos pela equipe do coração de ambos.

Delpo, que sempre exaltou "as alegrias" que Maradona deu a seu povo, pode retribuir a gentileza ao ídolo. Nas arquibancadas do confronto entre Argentina e Croácia, pela final da Copa Davis 2016 em Zagreb, Diego viveu todas as tensões de torcedor e pode ver Delpo vencendo de virada o então número 1 croata, Marin Cilic, numa partida de 5 sets e que empatou o confronto que foi definido por Federico Delbonis para alegria de toda a nação celeste e claro de Maradona.
Maradona rendeu até um vídeo de suas reações durante o confronto:

A relação de amor de Diego com o tênis e principalmente com a Copa Davis era antiga. Contemporâneo de ídolos do tênis local como José Luis Clerc e mais jovem que o grande Guillermo Vilas, Maradona sempre que possível viajava para apoiar a equipe de seu país, de maneira independente da comitiva técnica, ressaltaram reportagens da imprensa local.

Em 2005, Maradona atravessou o globo para apoio da estrelada equipe de David Nalbandian e Guillermo Coria que superou a Austrália de Lleyton Hewitt em Sidney, com um estádio lotado, barulhento e contra. O confronto acabou 4x1 para os argentinos. Maradona invadiu a quadra e celebrou com a equipe. (Foto: Maradona é quem está de costas na foto)

 

Foram muitos momentos. Em 2012, no lendário Parque Roca, foi o mais ovacionado pelo público, incluindo na saída de quadra, como registrou um fã na ocasião:

Maradona serviu de apoio à equipe derrotada em casa, em Mar Del Plata, na final da Davis 2008 para a toda poderosa Espanha. Naquele ano, Maradona acompanhou a equipe em todos os confrontos. Na primeira rodada, em Buenos Aires, avisou aos suecos, rivais daquela fase, e todos os demais que seria um "elemento a mais" da equipe: "Estarei presente nesses jogos e onde a equipe argentina jogar", disse à época. Foi assim, também contra Rússia e a Espanha, onde visitou e conversou com a equipe na concentração.

Em 2017, Maradona brincou com Fabio Fognini e levou o neto Benjamin para acompanhar os jogos entre Itália e Argentina, também no Parque Roca.

Fognini compartilhou um vídeo com Maradona visitando o vestiário italiano:

O amor pelo tênis, lhe rendeu amizades e ídolos mais jovens que ele mesmo. Em junho deste ano, uma brincadeira entre Diego e David Nalbandian no Instagram virou notícia no mundo todo. Na ocasião, Maradona que estava 'sumido' das redes em razão da quarentena, reapareceu e Nalbandian comentou a foto pedindo que o amigo "se cuidasse para que logo pudessem compartilhar juntos". Com o típico humor argentino, Maradona contestou: "Não me dá nem um like e tá pensando no peixe?".

Maradona, foi uma das celebridades que mais celebrou a conquista de Nalbandian no Finals de 2005, vencendo Nadal e Federer - este numa virada heroica. Diego também fez festa no título de Gastón Gaudio em Roland Garros, através da imprensa da época, tal como consolou Guillermo Coria pela derrota na final.

Aos tenistas de seu país de "menor expressão", Maradona sempre dedicou atenção e reconhecimento. Felicitou Delbonis por sue primeiro ATP no Brasil Open de 2014, Leonardo Mayer por uma derrota sofrida diante de Federer em 2014 e assim sucessivamente, até Schwartzman mais recentemente, por sua campanha em Roma.

 

banner
banner