X

Paula Gonçalves e Karue Sell iniciam pré-temporada

Sexta, 04 de janeiro 2019 às 00:54:55 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Os tenistas Karue Sell, natural de Jaraguá do Sul, Santa Catarina, e Paula Gonçalves, de Campinas (SP), iniciaram a pré-temporada e definiram seus primeiros torneios para o novo ano.



Karue, que está baseado na Califórnia e concluiu curso na Universidade americana de UCLA, uma das mais conceituadas do mundo, começou essa semana os trabalhos de pré-temporada em Los Angeles ao lado do técnico Walter Preidikman na WPT, a Walter Preidikman Tennis. Ele recuperou recentemente de uma lesão na mão direita onde ficou meses parado no segundo semestre. Seu novo ano começará por três eventos futures, um na França de US$ 15 mil em Grenoble, a partir do dia 4 de fevereiro, e na sequência dois torneios de US$ 25 mil na Grã-Bretanha em Barnstaple e Glasgow. Na sequência ele voltará para os Estados Unidos para mais eventos da série future.

"Tive um bom 2018, subi bem rápido ao top 400, tive boas vitórias, meu nível estava bem bom. Arrisquei mais challengers a partir de maio por conta das mudanças de ranking para pegar mais experiência, acabou que não deu muito certo e logo na sequência me machuquei. Foi meu primeiro ano integral como profissional e no geral foi muito bom", disse Karue.

"Para 2019 espero um bom ano, terei que dar um pequeno passao atrás porque não consegui defender título de setembro e nem conseguirei defender outro de janeiro que vou descartar. Na minha cabeça tenho que preciso começar forte , ganhar muitos jogos de futures para subir aos challengers. A parceria com o Gringoserá ótima e tenho ótimas expectativas para 2019", seguiu o catarinense.

"Vou trabalhar bastante na parte física pois fiquei bastante tempo parado . O Gringo está me ajudando bastante com a direita, algo que sempre precisei trabalhar, mas achamos um foco legal, algo que me deu um clique legal nesse golpe".

Preidikman comentou as mudanças que vem tentando implementar e comentou sobre o potencial de Karue, atual 433º do mundo: "Começamos os ajustes na direita dele onde existia tendência a encurtar os pontos por falta de consistência em alta intensidade. Estamos fazendo algumas correções no saque , melhorar as percentagens e poder repetir os espaços, melhorar as variações, os ângulos, efeitos", disse Gringo que é um dos únicos 60 técnicos do mundo com o certificado Elite da USPTA (United States Professional Tennis Association) e possui o visto 01 de Habilidades Extraordinárias.

"Karue tem um bom entendimento do jogo, competitividade e manutenção do foco. Sua devolução e backhand são diferenciais em seu jogo. Nosso objetivo para primeiro semestre de 2019 é baixar do top 300".

Paula Gonçalves, que já liderou o time brasileiro da Fed Cup e no fim do ano deu um salto de cerca de 200 posições terminando na 451ª colocação, fará suas primeiras semanas de pré-temporada em Campinas ao lado do treinador Ricardo Mello e na terceira semana virá para Los Angeles para trabalhar ao lado de Walter Preidikman. 

A campineira tem no calendário os torneios de Surprise, no Arizona, a partir de 11 de fevereiro. Depois segue para Rancho Santa Fe, na Califórnia, também com premiação de US$ 25 mil. A partir de 11 de março ela disputa três eventos no Brasil em São Paulo e Curitiba, de US$ 25 mil, e o último em sua terra natal a partir de 25 de março, com premiação de US$ 15 mil. 

"O ano de 2018 foi de muito aprendizado para mim. Me sinto muito mais madura, lúcida, melhor preparada e mais confiante . Foi um ano de mudanças também na minha vida, voltei para Campinas, voltei às raízes o que me fez muito bem poder me reconectar com a minha família e amigos me trouxe uma felicidade muito maior . E poder treinar com o Ricardo, um cara que foi até alguns anos atrás top 50, um peso de bola bem diferente, um ritmo pesado de treinos, e ele sempre me dando boas dicas, até mesmo algumas instruções básicas mas que vem me ajudando dentro de quadra também. E o Gringo que foi um encontro muito louco que aconteceu entre nós, acho que nos conectamos de uma forma imediata, a energia bateu, a confiança um no outro também e foi fluindo de uma forma muito natural e legal! Aprendi em tão pouco tempo tantas coisas com ele, lições extremamente valiosas que vem me ajudando dentro e fora de quadra e tem sido fundamental no meu tênis. Não joguei o número de torneios que gostaria de ter jogado por algumas pequenas lesões e até alguns “acidentes”, cai da escada e quebrei o osso da minha mão direita 1 dia antes de viajar para um torneio, destacou Paula.

Para 2019 vamos tentar ser o mais estratégico possível no calendário, ter a base nos EUA com o Gringo tem sido muito importante. Dá para jogar direto nos EUA o ano todo, os torneios são sempre duros e muito fortes, porem é um lugar onde eu sempre me sinto bem jogando.  Então vamos aproveitar bastante essa oportunidade de base em solo americano. Minha meta é poder figurar entre as 200 e começar a buscar os torneios maiores, os qualies de Grand Slams.  E quero também retomar meu bom ranking e alto nível de duplas, sinto que venho jogando bem as duplas, mas preciso também encontrar uma parceira mais fixa para começar a acontecer resultados."

"Paula é uma jogadora completa, ela ainda não tem um padrão muito definido de como jogar os pontos ligados ao placar . Melhoramos bastante sua otimização de golpes na questão estratégica e seu posicionamento em quadra. Ela ainda está longe de atingir seu melhor tênis . Estamos trabalhando muito em sua auto-confiança e manutenção do foco por períodos longos. Em 2018 teve muita falta de sorte, com lesões e acidentes, mesmo assim baixou de 670 para 450 do mundo. Na minha ótica pode entrar entre as 300 do mundo agora em 2019", seguiu Preidikman.

Preidikman é argentino, disputou o circuito profissional por pouco mais de um ano quando foi convidado para integrar Universidade americana em Houston e virou treinador em 1985 onde trabalhou com nomes como Fernando Meligeni, Júlio Góes, José Amin Daher, o ex-top 30 mundo Roberto Arguello, da Argentina, entre outros. Foi auxiliar técnico do time do Brasil da Copa Davis quando Paulo Cleto era o capitão. Está baseado em Los Angeles há três anos onde fundou a WPT, a Walter Preidikman Tennis, equipe que utiliza espaço do clube La Cañada que conta com quadras de tênis e equipe multidisciplinar.

Gringo, como é chamado, tem o certificado de treinador de Elite da USPTA (United States Professional Tennis Association) algo onde apenas 60 treinadores entre milhares possuem no país que é uma das referências no tênis. Possui também o visto 01 de Habilidades Extraordinárias. É um dos fundadores da academia Tennis Route, no Rio de Janeiro. Além de treinar tenistas profissionais, Walter Preidikman já levou cerca de trinta tenistas brasileiros para universidades americanas. 

Junto com Gringo trabalha o paulista de São Carlos, Rodrigo Mariz, que se formou na Universidade de Illinois e marca presença todos os anos como rebatedor da USTA dos melhores tenistas do mundo em torneios como o US Open, Masters de Miami, Indian Wells, entre outros.