X

Orsanic aprova mudanças e destaca necessidade de manter 'tradição' na Copa Davis

Segunda, 02 de abril 2018 às 17:25:01 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Por Ariane Ferreira - Único capitão sul-americano vencedor da Copa Davis, o argentino Daniel Orsanic, revelou, com exclusividade ao Tênis News, estar em concordância com as mudanças propostas ao torneio. Para ele, a Davis 'precisa de renovação'.



Capitão argentino em 2016, quando nossos vizinhos pararam a sequência de quatro vice-campeonatos do principal torneio entre países do tênis masculino, Orsanic atendeu com exclusividade a reportagem do Tênis News em sua passagem por São Paulo, no inicio de março, quando convidado pela organização do Brasil Open, realizou clínica técnicas com profissionais brasileiros e apresentou painéis sobre o esporte.

Além dos temas ligados a sua vinda ao Brasil, em bom português, Orsanic, que treinou Thomaz Bellucci por mais de um ano antes de aceitar o convite para ser capitão da 'seleção' de seu país, falou muito do duelo diante do Chile para voltar aos playoffs do Grupo Mundial este ano e do futuro da centenária competição, amada em seu país.

Mesmo estando em São Paulo para realizar outra atividade profissional, Orsanc não deixou de observar a estrela da equipe rival, Nicolas Jarry, que atuou bem nos torneios brasileiros: "Assisti (em quadra) aos jogos do Jarry, incluindo a de hoje [semifinal diante do argentino Horacio Zeballos). ele tem jogado, muito, muito bem estas semanas", pontuou ele explicando que também aproveitou a estadia na capital paulista que entre uma palestra ou painel no workshop internacional de tênis, buscou assistir a seus jogadores. 

Orsanic elogiou seu número 1 no confronto diante do Chile, o 'pequeno' Diego Schwartzman, que acabara de vencer o maior títulod e sua carreira no Rio Open: "Schwartzman está jogando muito bem" e também previu a melhor performance do número 1 do país, Juan Martín Del Potro: "Del Potro está encontrando seu melhor nível outra vez, conseguirá muitas coisas. Eu sigo curtindo vê-los jogar", pontuou ele, que viu Delpo ser campeão dias depois em Acapulco, no Masters de Indian Wells e fazer semifinal em Miami.

Ciente de que talvez não pudesse contar com Del Potro no confronto diante do Chile, Orsanic falou muito sobre Schwartzman: "Eu o chamo de 'O Rompe Barreiras'. Desde muito pequeno escuto muito de que ele foi superando limites que ninguém acreditava que poderia superar. Isso é muito bonito. Alguém que consegue isso e continua desenvolvendo seu tênis. Ele é um grande competidor e eu fico muito feliz por suas conquistas. Seu desenvolvimento e exemplo fazem muito bem ao tênis argentino".

Questionamos Orsanic sobre como vê as propostas de mudança no torneio que pretende localizar no calendário uma disputa com sede fixa, em dez dias, para o grupo mundial e será votada na próxima assembleia da Federação Internacional de Tênis (ITF) em agosto.

"Pra mim a ideia de mudar o formato da disputa é boa. Obviamente, não gosto da parte que fala em não jogar em casa, mas acredito que é uma mudança muito boa, talvez, para aumentar a competição", pontuou destacando que o nível de jogo e disputa pode ser melhorado a partir destas mudanças.
"A Davis precisa de uma renovação, precisa que todos os jogadores tops a joguem e estas mudanças podem facilitar que isso ocorra", ressaltou.
Questionamos o capitão argentino a respeito de como via a proposta feita pelo então conselho de capitães da Copa Davis em 2012 de tornar a competição bienal. "Pode ser que perca o encanto. Hoje em dia, a exigência do circuito é difícil para que os jogadores consigam planejar: 'vou jogar a Copa Davis' e jogar o circuito e tudo mais. Então, o formato de 10 dias, acredito é ideal. Todas as equipes juntas, em uma sede, gerará um ambiente incrível com torcidas de diferentes países. Pra mim, pode ser um torneio muito especial e mesmo assim mantendo a tradição da Davis", opinou.