X

Navratilova reclama de discrepância salarial comparada a McEnroe

Segunda, 19 de março 2018 às 18:47:36 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Em entrevista ao programa da rede britânica BBC, Panorama, a tcheca naturalizada norte-americana Martina Navratilova não escondeu sua frustração ao saber que para comentar Wimbledon 2017 recebeu 10 vezes menos que John McEnroe na própria BBC.



"É difícil de comparar exatamente porque há pessoas que trabalham duro por dias, talvez por alguns programas e tudo mais. Mas é chocante porque John McEnroe fez mais de £150 mil. Eu ganhei £ 15 mil por Wimbledon. A menos que McEnroe estivesse fazendo um monte de coisas fora de Wimbledon. Ele está faturando dez vezes mais dinheiro, por um trabalho bem comparável em si. No momento é o que sei", comentou a ex-número 1 do mundo dona de 16 títulos do Grand Slam em simples, sete deles em Wimbledon.

Ao ser perguntada como se sentia diante daquela situação, Navratilova não escondeu a frustração no rosto e a indignação na fala: "Nada feliz, é preciso dizer. É chocante, se você pensar que isso acontece comigo - para mim é um trabalho temporário, são duas semanas da minha vida -, mas para uma mulher, que trabalha em carga horária inteira, talvez a discrepância [salarial] não seja tanta [10 vezes mais], mas se você acrescenta [a diferença] na vida inteira, é muito dinheiro. Então isso é extremamente injusto, o que me deixa com raiva pelas outras mulheres que encaram isso", opinou.

A entrevistadora argumentou com Martina que a BBC, que contratou os dois ex-tenistas como comentaristas, poderia argumentar que McEnroe, que é dono de sete títulos de Grand Slam em simples, três deles em Wimbledon, comentou mais jogos e Navratilova rebateu: "Dez vezes mais? Eu acho que não".

Ao ser informada que no Reino Unido há 50 anos é praticado a regra de equiparação de salários para atividades iguais independente do gênero do funcionário, Martina demonstrou surpresa: "Então é a lei?" e destacou que como uma empresa pública, "sem querer julgar", não cumpria a lei e pontuou que a situação seria "igual em outras redes de TV", mas a ex-tenistas destacou a importância em tornar essa informação pública.