X

Sharapova: 'Não estou aqui para provar nada'

Sexta, 06 de junho 2014 às 16:03:02 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
A ex-líder do ranking e atual 7ª da WTA, Maria Sharapova, chegou a sua terceira final em Roland Garros sem crer que tenha alguma coisa para provar a alguém. Em conversa com a imprensa em Paris antes da grande final deste sábado, Sharapova foi só elogios a rival Simona Halep.

Em dos jornalistas comentou com Sharapova que muitas pessoas têm comparado o estilo de jogo da romena Simona Halep ao da ex-líder do ranking Kim Clijsters. A russa não concordou ou discordou da afirmação, preferiu exaltar o momento da adversária: “Seu nível aumentou definitivamente no ano passado. Da forma como ela está jogando, é sempre uma jogadora difícil de enfrentar. Acho que ela está jogando muito bem. Ela não tropeçou neste torneio“.

Maria relembrou a dura partida que as duas tenistas jogaram na final em Madri há duas semanas e disse que para ela foi importante disputar um jogo tão duro para prepará-la para o Slam francês.

Mesmo reconhecendo as qualidades da adversária, Sharapova não perde a mentalidade de competição: “Apesar de tudo isso, estou em uma final de Grand Slam. Não me importa quem está do outro lado da rede, sinto que é uma grande oportunidade para nós duas. Eu estarei lá até o último ponto”, disse.

Perguntada se concorda com as opiniões de que Haelp está a caminho do top 3, Maria admitiu: “Acho que ela provou no ano passado que é capaz de ter grandes resultados de forma consistente. E em termos de ranking e ela está se posicionando, acho que é uma jogadora de qualidade, capaz de ser muito consistente semana a semana", afirmou e prosseguiu: "Acho que ela ganhou seis títulos no ano passado. Isso é muito impressionante. Então, obviamente, ela merece estar onde está. Essa é uma posição em que eu quero estar e estou lutando por isso", frisou.

Sharapova encarou as jovens Garbiñe Muguruza e Eugenie Bouchard, e contra ambas teve muitas dificuldades para vencer. Perguntada se acredita que está em uma posição como a de Roger Federer no masculino, em que jovens se focam para vencê-los em torneios grandes e superá-los e o suíço precisa provar o contrário, Maria disse: "Eu não estou aqui para provar nada ou tentar mostrar isso. Eu só quero cuidar do meu trabalho. Como já disse, joguei duas meninas muito jovens que têm jogado muito bem e tiveram um grande torneio. Se eu quero dar-lhes a chance de ir mais longe no torneio? Claro que não", disse enfática.

E seguiu: "Mas não porque eu quero provar algo ou mostrar a elas que não são a próxima geração. Elas estão jogando um grande tênis. Mas porque eu quero ser a vencedora deste jogo particular. Eu quero ir mais longe. Não importa se eu sou uma veterana, não me importo com o que a geração estou. Eu trabalho demais para simplesmente deixar o jogo ir, porque eles são parte de uma geração mais nova" completou sorrindo.