X

Brasil Open se manterá no Ibirapuera e não teme perder estrelas

Domingo, 17 de fevereiro 2013 às 19:58:17 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Por Fabrizio Gallas - Roberto Burigo, diretor pela primeira vez do Brasil Open, reuniu-se com a imprensa neste domingo poucas horas após Rafael Nadal se tornar o campeão do evento e fez um balanço da competição que recebeu muitas críticas pela quadra e bola.

Burigo pontuou sobre os problemas que já havia comentado em entrevista ao Tênis News que foi ao ar na última sexta-feira.

Segundo ele, houve uma surpresa negativa com a Bascourt, que realiza a montagem as quadras e que o pouco tempo para a realiação das mesmas foi um dos fatores. Mas Burigo promete que pelo menos irá "fazer testes" para o evento do próximo ano.

Sobre a bola, a Wilson Championship, criticada pela maioria dos jogadores, Burigo não comentou sobre os critérios técnicos para a escolha, afirmou apenas que já havia sido utilizada durante o Challenger Finals, também no Ibirapuera, em dezembro. E ele cogitou mudança para a nova temporada.

"A bola foi enviada para a ATP, aprovada pela ITF e ATP, e homologada, não tem critério específico pra escolher a bola. Tudo que gerou insatisfação, nós buscaremos melhorar".

Perguntado se havia hipótese do evento mudar de local por conta dos problemas, Burigo foi taxativo ao afirmar que "não há essa possibilidade de mudança".

Em 2014, o Brasil Open mudará para uma semana mais tarde na mesma dos ATPs 500 de Acapulco e Dubai, ambos no piso rápido, e dias antes do início do Masters 1000 de Indian Wells, EUA. Ainda terá a concorrência do ATP 500 do Rio de Janeiro na semana anterior. Mesmo com essa mudança e os problemas detalhados pela maioria dos tenistas, o torneio confirma já estar negociando com novos grandes nomes - não citados - e não temer um possível esvaziamento para o ano que vem.

"O Brasil Open historicamente sempre teve nomes fortes, a atração por São Paulo não vai se perder mesmo com a semana sendo na mesma que Acapulco e Dubai. Sempre tivemos essas semanas no calendário. Quem quiser seguir jogando no saibro virá pra cá e vamos ter nomes bem fortes aqui em 2014".

Ingressos falsos no Ibirapuera - O evento bateu seu recorde com 57,4 mil espectadores, mas não deixou de contar com problemas na acomodação dos espectadores. Muitos ficaram nas escadas e invadiram uma área destinada à imprensa. Burigo afirmou estar averiguando uma possibilidade de falsificação de alguns bilhetes: "Vamos avaliar público nas escada, não distribuimos mais ingresso dos 9.300 que cabiam no ginásio. Ouvimos relatos sobre falsificação que vamos avaliar e, se confirmado, iremos sanar esse problema para o ano que vem".