X

Nadal leva susto, mas vai à final do Brasil Open contra Nalbandian

Sábado, 16 de fevereiro 2013 às 20:06:13 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Por Fabrizio Gallas - Rafael Nadal, número cinco do mundo e o Rei do Saibro, mais uma vez não teve uma atuação convincente e, com altos e baixos, conseguiu a classificação à final do Brasil Open, em São Paulo, para enfrentar David Nalbandian em clássico.

Leia Mais:
Nalbandian destaca que final contra Nadal não tem favorito 'por condições muito ruins'
Nadal enaltece Nalbandian e não se vê com vantagem

Nadal necessitou de 1h56min para superar o lucky-loser argentino Martin Alund, 111º colocado, por 2 sets a 1 com parciais de 6/3 6/7 (7/2) 6/1 em um ginásio do Ibirapuera lotado para mais de nove mil pessoas.

Este é o segundo torneio no retorno do espanhol após sete meses lesionado no joelho esquerdo e a segunda final. Em Viña del Mar, no Chile, na semana passada, ele foi batido pelo argentino Horacio Zeballos em três sets.

Nadal jogará sua 73ª decisão em simples, buscará o 51º troféu. Ele fará a 42ª final no piso de saibro onde buscará o 37º caneco. São 260 triunfos em 280 jogos no piso lento na carreira de Rafa.

Na final deste domingo o rival será David Nalbandian, ex-top 3 e atual 93º, que fez 6/3 7/5 sobre o italiano Simone Bolelli.

São seis jogos entre os dois com quatro triunfos de Nadal que venceu as últimas quatro. Em um piso coberto foram dois jogos com dois triunfos de Nalbandian, ambos em uma superfície rápida.

O jogo

Na primeira etapa, Nadal viveu um 15/40 no terceiro game, mas contou com erros de Alund para se salvar e confirmar. Ele se aproveitou de um oitavo game errático na direita do sul-americano para quebrar e com tranquilidade fechou por 6/3.

No segundo set a devolução de Nadal esteve falha. Ele só conseguiu ganhar três pontos e passou longe de ameaçar o rival. Alund também não foi muito efetivo nas respostas, conseguiu um 15/30 no 12º game, mas Rafa se safou com belas jogadas. No tie-break, o argentino foi mais valente e agressivo, pressionou e fechou com deixada e erro na resposta do espanhol por 7/6 (7/2).

Na terceira etapa o natural de Manacor elevou o nível na resposta de saque, pressionou, jogou a bola mais funda e conseguiu a quebra no segundo game. Jogando com conforto ele abriu 3/0 e foi ditando o ritmo até romper de novo e fechar com certa facilidade por 6/1 com bom ponto na rede.