X

Para vencer a Davis é preciso superar as diferenças, diz Nalbandian

Terça, 05 de fevereiro 2013 às 14:29:56 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Principal nome do atual tênis argentino para a torcida, o já veterano, David Nalbandian, liderou a equipe celeste diante da Alemanha na primeira rodada do Grupo Mundial. Após a vitória, o ‘Rei’ afirmou, em entrevista ao jornal Clarín, que é preciso superar as diferenças para vencer o torneio, maior ambição do tênis local.

Nalbandian, que não esconde de ninguém que não tem boa relação com o número um do país, Juan Martín Del Potro, teria liderado, segundo reportagem do jornal local Olé de sábado, cânticos ritmados pelo sub-capitão Mariano Zabaletta contra Delpo no vestiário do time. Entretanto, na entrevista ao Clarín ressaltou sua importância: “Juan Martín é um jogador muito importante para a equipe. Não há dúvidas. Não poder contar con ele agora é uma lástima.

Perguntado se sem Del Potro era possível pensar na Argentina campeã da Davis, sonho de David, ‘El rey’ como é chamado disse: “Tudo é possível, mas com ele jogando a Argentina tem mais chances. Todo mundo sabe disso. Mas também houve dúvidas sobre se íamos ganar da Alemanha e terminamos com 5 a 0. Também é verdade que a medida em que passam as fases, os rivais ficam cada vez mais duros”.

Sobre sua relação com ‘A Torre de Tandil’, Nalbandian disse ser “de companheiros”, e ainda pontuou que respeita a decisão do compatriota de não jogar Davis, apesar de não ter a mesma opinião.

Para Nalbandian os rumores de racha na equipe são “criações da imprensa para encher páginas”. Da vivência em grupo David resumiu: “ Nos grupis e em equipes sempre há diferenças. Pequenas ou grandes, desde algo importante a um horario de treinamento, que pode agradar a um treinar cedo e a outro mais tarde. É uma estupidez, vamos ver: Eu tive cinco capitães e 15 companheiros.Sempre tem ym que gosta de uma coisa e ao outro uma diferente. Cada um tem seu tempo, sua personalidade, suas coisas. Sempre existiram as diferenças, essa é a realidade. Eu sempe digo que se queres ganhar a Copa Davis tem que superar qualquer diferença, seja a maior ou a menor. Se não, é impossível vencê-la. Nunca vai compartilhar de uma equipe com quatro, cinco ou seis jogadores onde todos estarão de acordo de treinar na mesma hora, comer a mesma coisa e ao mesmo tempo. Porque não estamos acostumados a isso no ano, estar em equipe. Repito, a Copa Davis debe estar por cima de todas esas questões”, finalizou.