X

Feijão comemora melhor ranking, mas segue com os pés no chão

Segunda, 27 de setembro 2010 às 15:20:29 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
João Olavo Souza (Amil/Asics/Wilson), o Feijão, atingiu, nesta segunda-feira, seu melhor ranking na carreira, ocupando a 112ª posição após a conquista do título da etapa de Bogotá (Colômbia), da Copa Petrobras de Tênis, neste domingo, evento disputado no piso de saibro.

O jovem de 22 anos, que treina no Centro de Treinamento da Amil (comandado por Ricardo Acioly) no Rio de Janeiro , somou 100 pontos por seu segundo challenger na carreira (havia vencido também em Bogotá no mês de abril) e deu um salto de 26 posições e se consolidando como o número três do país atrás apenas de Thomaz Bellucci (27º) e Ricardo Mello (80º).

O jovem de 22 anos, que estreia provavelmente nesta terça-feira no challenger de Cali (Colômbia), evento no saibro com premiaão de US$ 75 mil + Hospedagem, celebrou: "Estou muito feliz com meu novo ranking. É muito gratificante ver essa ascenção após um período longo sem bons resultados. Como disse antes, uma hora eu voltaria a ter bons resultados. Agora é seguir trabalhando duro para crescer cada vez mais pois tenho condições".

Ricardo Acioly, manager de João Souza, comentou a conquista do pupilo no último domingo: "Essa conquista do Feijão mostra que ele está no caminho certo, fazendo as coisas bem e uma hora o resultado positivo viria. Um dado importante. Ele jogou três finais de challenger e ganhou duas, isso mostra que ele vai bem em momentos decisivos", mas evitou euforia: "Às vezes as pessoas focam muito na expectativa quando um jogador ganha um torneio pra estourar ainda mais na idade dele. Mas no tênis só os fenômenos saem ganhando vários torneios seguidos e o Feijão está progredindo aos poucos".

Sobre a ascenção no ranking, Pardal explicou que não muda em nada no calendário do tenista: "O ranking dá motivação pro Feijão seguir trabalhando e aproxima do top 100, o que acredito se concretizará até o final do ano. Mas de fato estar em 112 do mundo não muda em nada a vida dele pois com essa posição ele seguirá precisando jogar qualies de ATPs, challengers grandes e ainda não pode entrar nos Grand Slams".

Feijão jogará, depois de Cali, os torneios de Quito (Equador), Santiago (Chile) e São Paulo (SP), todos nível challenger.