X

Daniel Silva vai à semi no Recife

Sábado, 18 de setembro 2010 às 06:43:16 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Os finalistas do 6º Chesf Open Internacional de Tênis serão conhecidos neste sábado. A partir das 12 horas, as quadras do Squash Tennis Center recebem os dois jogos semifinais. Numa das partidas, o argentino Juan Pablo, cabeça de chave 1, enfrenta o paulista Daniel Silva, brasileiro com o melhor ranking da competição. Na outra, o argentino Juan Pablo Villar encara o paranaense Tiago Slonik.

Pelas quartas de final, Juan Pablo Amado derrotou o paulista Danilo Ferraz por 6/3 7/5. “Cumpri o meu primeiro objetivo, que era chegar na semifinal”, comemorou o argentino. “Estava bem, mas o jogo se complicou um pouco no final, como tem acontecido. Hoje fiquei um pouco nervoso e Danilo jogou melhor no segundo set, mas consegui me recuperar e fechar a partida”, relata.

Seu conterrâneo, Cristian Benedetti não teve a mesma sorte. Ele perdeu para Daniel Silva, ex-campeão do Chesf Open de 2007, por 6/3 6/2. O paulista dominou a partida do começo ao fim, para alegria da torcida. "Joguei muito bem desde o começo. Taticamente foi perfeito. Foi o meu melhor jogo no Chesf Open e o importante é que tenho evoluído um pouco a cada partida. Também queria agradecer à torcida, pois, sempre que jogo aqui eles me apoiam muito", comemorou Daniel.

Cabeça de chave número 2, Juan Pablo Villar confirmou presença na semifinal após derrotar, por dois sets a zero, o gaúcho Fabrício Neis, que estava debilitado por uma infecção intestinal. Por causa disso, o portenho não teve dificuldade em fechar o primeiro set em 6/1. No segundo, o brasileiro sentiu uma leve melhora e conseguiu estender a disputa até o tiebreak, mas terminou perdendo por 7/6(4). “Como ele estava mal, o primeiro set foi bem estranho. Neis é um ótimo tenista e tem um backhand bem forte. Quando ele conseguiu sentir-se um pouco melhor, foi bem difícil fechar a partida”, relata Villar.

Seu adversário na semifinal foi decidido numa partida disputada, com duração de três horas, em que Ricardo Siggia, cabeça de chave 4, perdeu para Tiago Slonik, 8º melhor ranking da competição. Por ter derrotado na primeira rodada Luciano Silva, o Soró, único pernambucano na disputa de simples, Slonik jogou com a torcida contra. O empenho da plateia só aumentou quando ele começou a discutir com a arbitragem e o adversário. “Na verdade, a minha reclamação foi com a arbitragem. Desde o primeiro game, avisei que ele estava indo na toalha no meu serviço, mas ele não fez nada. Então, comecei a falar mais duro”, justificou.

No início da partida, o paranaense chegou a ter um set point, mas deixou o adversário fechar em 5/7. No segundo, Siggia ficou a dois pontos de vencer o jogo, porém Slonik terminou conseguindo um resultado positivo, no tiebreak. No terceiro set, um Siggia nervoso esbarrou num adversário focado. Resultado final: 5/7 7/6(5) 6/0 para Slonik. “Eu tentei. Tive o apoio da torcida, mas não consegui vencer. Não concordo com algumas das atitudes dele, mas só tenho que parabenizá-lo pela vitória”, disse o paulista.